História de Jaguaquara


Jaguaquara é um município brasileiro do estado da Bahia. Situado no Vale do Jiquiriçá e ou na micro região de Jequié, Sudoeste da Bahia. Sua população é de 51.012 habitantes, de acordo com os dados do Censo 2010.


 IMIGRAÇÃO

Em 1950, imigrantes vindos de diversas regiões da Itália, desembarcaram em Jaguaquara. Eram 41 famílias, que receberam do Governo um pequeno lote de terra para recomeçarem a vida. Introduziram a lavoura, ainda pouco incrementada, com produtos até então desconhecidos da população e técnicas mais avançadas de cultivo. Fundaram uma Colônia, que hoje, encontra-se desativada. Além de hortifrutigranjeiros, os italianos plantaram uva e trigo, que se desenvolveram bem graças ao clima. Jaguaquara, acolheu ainda imigrantes de várias nações como Japão, Portugal, Espanha e Peru.

 GEOGRAFIA

O município nasceu de uma fazenda chamada Toca da Onça, que em 1896 pertencia ao casal, Cel. Guilherme Martins do Eirado e Silva e Maria Luzia de Souza e Silva. Na sede da fazenda havia três casas: a casa da sede, residência do casal, posteriormente doada às Franciscanas Imaculatinas e, hoje, Colégio Luzia Silva, uma casa de negócios com depósitos, dependências de empregados e rancharia para viajantes, que foi demolida para dar lugar à Praça J.J. Seabra, e uma casa de farinha que foi reformada e atualmente pertence à família Minahim. Em 1912, iniciou-se a construção das primeiras casas que formariam o Povoado Toca da Onça, que pertencia ao Município de Areia (atual Ubaíra). Em 1913, foi construída a estação da Estrada de Ferro de Nazaré, na sede do Povoado. Em 1915, é aprovada e sancionada Lei nº 174 de 5 de Outubro de 1915, que mudou a denominação de Toca da Onça para Jaguaquara (na linguagem tupi: Jaguar-onça, quara-toca). Pela Lei Estadual nº 1472 de 18 de Maio de 1921, Jaguaquara foi elevada à categoria de Vila e Município de Areia, sendo seu primeiro intendente eleito o senhor Guilherme Martins do Eirado e Silva. A sede do Município foi elevada a categoria de cidade pela Lei 1.673 de 30 de Agosto de 1923.

Política
INTENDENTE

Guilherme Martins do Eirado Silva - Ago 1921 a Dez 1923;

Abílio Procópio Ferreira - Jan a Maio 1924;

Serapião Guanais Mineiro - Jun a Set 1924;

João Andrade - Out 1924 a Ago 1926;

José Inácio Pinto - Set 1926 a Dez 1927;

Alyrio de Almeida - Jan 1927 a Dez 1929; e

Virgílio Pereira de Almeida - Jan a Out 1930.


Prefeitos

Lauro Mota;

Virgílio Mota de Almeida;

Everaldo Souza Santos;

Jaime Correia;

Menandro Menahim - 1954 a 1957;

Lourival Rosa de Sena - 1958 a 1961;

Leonídio Pinheiro Fernandes - 1962 a 1965;

Joaquim Nery de Souza - 1966 a 1969;

René Dubois - 1970 a 1972;

Paulo Ovídio Filho - 1973 a 1976;

Ítalo Rabêlo do Amaral - 1977 a 1982;

René Dubois - 1983 a 1988;

Osvaldo Cruz Morais - 1989 a 1992;

Paulo Sérgio Oliveira Nunes - 1993 a 1996 - PT - Partido dos Trabalhadores;

Ítalo Rabêlo do Amaral - 1997 a 2000;

Valdemiro Alves de Oliveira - 2001 a 2004;

Osvaldo Cruz Morais - Jan 2005 a Março 2006 (renunciou);

Aldemir Moreira - Abril 2006 a Dez 2008 e Jan 2009 a ...

5º. produtor baiano de abacate, 5º. em limão, 4º. em maracujá e 8º. em tomate, 2ª lugar em produção hortigrangeiros da Bahia.[carece de fontes?]

Na pecuária destacam-se os rebanhos bovino, equino, asinino e muar.
Possui 111 indústrias, 55º lugar na posição geral do estado da Bahia e 1.261 estabelecimentos comerciais, 39ª. posição dentre os municípios baianos. Seu parque hoteleiro registra 85 leitos. Registro de consumo elétrico residencial (Kwh/hab): 135,08 - 82º. no ranking dos municípios baianos.

 FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Jaguaquara
"Imagine uma nova história para sua vida e acredite nela". "Para viver é preciso sonhar" "Quando deixamos de sonhar, começamos a morrer"